Fui Deflorada na Despedida de Solteira

Categoria: 

Casei-me muito nova, com apenas 21 anos, e acho que posso dizer que meu marido Erick foi o meu primeiro homem. Ou quase isso... Vou contar a vocês o que aconteceu na minha despedida de solteira e vocês vão entender o que quero dizer.

Conheci o Erick ainda bastante jovem, quando frequentava a igreja evangélica do meu bairro. Ele era apenas alguns anos mais velho que eu, mas já era uma pessoa vivida, experiente. Eu, ao contrário, nunca tinha saído da minha cidade e praticamente a minha vida se resumia a estudar e ir à igreja. O máximo que tinha chegado a fazer com um rapaz tinha sido beijo na boca. E mais nada.

Foi só depois de alguns meses de namoro que, pela primeira vez, senti o toque de um homem em minhas partes íntimas. Muito paciente, o Erick esperou até que eu lhe desse permissão e, nesse dia, conseguiu acariciar minha boceta, por cima do vestido. Foi quando lhe confidenciei sobre minha virgindade. Ele reagiu muito bem e disse que respeitaria a minha escolha de esperar pra fazermos sexo apenas depois do casamento.

Confesso que foi bem difícil resistir. Havia dias em que ele roçava o pau na minha boceta, sempre por cima da calça, e eu quase chutava o balde e pedia pra ele penetrar. Quando ele encostava a mão diretamente na minha boceta, eu pedia pra ser cuidadoso e não enfiar o dedo, apenas acariciar meu clitóris. Fazendo isso, eu gozava facilmente em seus dedos. Nessa época, minhas calcinhas ficavam sempre molhadas. A vontade de dar estava me consumindo. Finalmente, depois de três anos de namoro, ele me pediu em casamento. Eu tinha 21 anos e ainda era virgem, então não via a hora de poder fazer sexo.

Aproximando-se a data do casamento, minhas amigas da faculdade resolveram organizar uma despedida de solteira pra mim. Tentei convencê-las a fazermos outra coisa, como ir a um restaurante, mas elas queriam uma festinha, com muita farra e bebida. Nem tive coragem de contar ao meu noivo como seria a despedida, disse apenas que iríamos a um restaurante.

Quando foi o dia, cheguei na casa onde aconteceria a despedida de solteira, e já encontrei todas as minhas amigas já um pouco bêbadas. Eu, mesmo sem beber, estava me divertindo bastante. Até que bate a campainha. Pra minha surpresa, era um garoto de programa, contratado pra animar a festa. Não posso dizer que gostei da surpresa. Ao contrário, fiquei envergonhada e com raiva das minhas amigas. Bastante contrariada, acabei tendo que aceitar, afinal o rapaz já estava ali e seria desfeita mandá-lo embora.

Pelo menos ela era bastante educado e bem humorado, o que fez a festa ficar ainda mais divertida. Ele dançava e brincava com todas as minhas amigas. E, quando chegava perto de mim, eu me afastava. Percebendo que eu estava tímida, ele veio em minha direção e me acuou na parede, dizendo, bem pertinho do meu ouvido: "você é a noiva mais linda que já vi". Fiquei arrepiada.

Foi quando ele começou a fazer um strip tease em cima da mesa da sala. Ele tirava peça por peça, pra delírio das minhas amigas. Quando, por último, ele tirou o pau pra fora, elas vibraram e se empolgaram. Eu, ao contrário, fiquei assustada e me afastei, fechando os olhos pra não ver.

Com muito custo, minhas amigas me convenceram que apenas olhar não seria nenhum pecado, muito menos traição.

Quando abri os olhos, fiquei espantada com o tamanho daquele pau. Eu só tinha visto assim em filme, já que o do Erick é bem menor. Foi me dando água na boca, algo inexplicável estava acontecendo comigo. Não conseguia tirar os olhos do pau do moço.

Ele percebeu a minha admiração e se aproximou, deixando o pau encostrar de leve na minha coxa. Dei um pulo pra trás, como um reflexo. Ele disse: "relaxa, noivinha, não vou arrancar pedaço". Falou de um jeito tão delicado e sedutor, que não resisti. Deixei ele se aproximar novamente e, dessa vez, acabei tocando o pau com as mãos e senti suas veias pulsando.

Minhas amigas, mais empolgadas do que nunca, gritaram: "isso aí, Dani, se joga!". Minhas mãos tremiam, eu estava pegando em um pau de um estranho! Se meu noivo descobrisse, seria motivo pra cancelar o casamento. O homem, percebendo que eu estava confusa e preocupada, tentou me relaxar: "não se preocupa que não existe traição em despedida de solteira". Fiquei mais tranquila quando ele disse: "com certeza seu noivo tá fazendo o mesmo na despedida dele!"

Com esse argumento, ele me venceu, deixando-me relaxada... Ele me sentou no sofá e começou a dançar bem pertinho, fazendo o seu pau balançar e se aproximar do meu rosto. Minha vontade era de avançar e abocanhar tudo de uma só vez, mas fiquei sem graça com todas as minhas amigas nos observando. Foi quando tomei a iniciativa de ir para o quarto com ele. Minhas amigas até me aplaudiram, dizendo "aproveita, Dani!"

Entrei no quarto e fui sentando na beirada da cama. Fiz questão de dizer a ele a verdade, que eu era virgem, e que não queria fazer sexo, pois estava me guardando pro meu noivo. Ele respondeu, rindo: "pode deixar que você vai voltar inteira pro seu noivo"... "Percebi que você queria colocar a boca nele, então pode aproveitar agora", disse ele.

Trêmula, fui lentamente aproximando minha boca até encostar levemente os lábios no pau. Minha boca encheu de água. Comecei a chupá-lo, meio sem jeito, e acabei mordendo. Ele riu e disse que era assim mesmo, que eu ainda estava aprendendo. Em seguida, ele me colocou deitada, com as pernas abertas, e foi passando a língua nas minhas coxas, virilhas, até chegar no clitóris.

Como eu não pedia pra parar, ele continuou, até penetrar levemente a língua dentro da minha boceta. Que delícia! Sempre que eu estava prestes a ter um orgasmo, ele percebia e parava, fazendo-me ficar louca de tesão. Hoje percebo que isso foi uma estratégia pra deixar com vontade de querer transar. Realmente, ele me deixou subindo pelas paredes.

Nesse momento, meu tesão era tanto que montei em cima dele, de forma que minha boceta ficou esfregando em seu pau. Ele também passou a se mexer, fazendo com que seu pau massageasse meu clitóris.

O tempo todo eu falava pra mim mesma, mentalmente: "não estou sendo penetrada, então ainda sou virgem". Mas algo inesperado aconteceu... De tanto esfregar o clitóris, acabei tendo um orgasmo e, nesse momento, acabei perdendo a virgindade: como me contorci de prazer, acabei, sem querer, encaixando a boceta no pau. Quando percebi, o pau já estava dentro de mim, fazendo correr um pouco de sangue pela minha perna. Pronto, não tinha o que fazer, daquele momento em diante eu já não era mais virgem.

O homem estava com tanto tesão que nem parou, continuou a meter, cada vez mais rápido e mais fundo. E eu tava tão molhada que o pauzão dele entrava fácil. Em poucos tempo gozei mais uma vez... Ele, então, me virou de costas e começou a bombar em minha boceta, que acabava de ser deflorada . Tirou o pau, que ainda tinha um pouco de sangue, e gozou em cima da minha bundinha.

Depois disso, fiquei me sentindo envergonhada e nem queria sair do quarto. Percebendo que eu estava pra baixo, ele me abraçou, dizendo que ninguém precisaria ficar sabendo do que tinha acontecido. Um pouco mais calma, voltei pra sala, onde estavam minhas amigas. Disse a elas que não tinha acontecido nada de mais, apenas alguns amassos, e elas parecem ter acreditado.

Na minha noite de núpcias, meu marido nem desconfiou que eu já não era mais virgem (até mesmo porque fingi que estava doendo muito quando ele penetrou). E até hoje, ele nem desconfia do que realmente aconteceu na minha despedida de solteira...

Beijos.

Dani.

https://www.casadoscontos.com.br/texto/201711756