Novinha perde o cabaço em troca do celular

Categoria: 

Bem, no ano de 2013, eu estava recém separado, aluguei um apartamento, no condomínio ao lado do que eu morava com a minha ex.

Lembro-me que na época eu trabalhava no comércio, saía de casa as 8:30 e só retornava as 20 horas.

Nesse novo condomínio, tinham muitas patricinhas, bem gostosinhas.

Era um condomínio onde todos os apartamentos ficavam na horizontal, ou seja, cada apartamento de 2 andares, e um do lado do outro.

Eu ficava da janela só olhando elas passarem de um lado para o outro.

Tinham várias.

Porém, numa quinta feira, em que a sexta feira era feriado, não me lembro o feriado certo, mas, eu cheguei do serviço mais cedo e feliz, pois tinha acabado de comprar um celular novo e já estava na net anunciando a venda do meu antigo celular, que por sinal, estava em ótimas condições.

E lá no condomínio era o seguinte, todos tinham as suas chaves para entrar no portão principal, não tinha porteiro, nem interfone e muito menos campainha.

Por volta das 01:30, uma jovem, com seus 19 anos, chamada Janaína, uma morena dos longos cabelos cumpridos, bem compactazinha, magrinha, miudinha, pequenininha da bunda grande, era bem jeitosinha, estava sem as chaves do portão e começou a gritar, chamando a mãe dela, (ela morava em um dos ultimos apartamentos, seria impossível a mãe ouvir), mas, como eu morava no 3º apartamento e estava acordado, peguei as chaves e fui abrir o portão para ela.

Ela estava voltando da balada, e me agradeceu muito, eu entrei para dentro de casa e ela ficou na porta e logo me perguntou se eu tinha creditos no celular para ela ligar para a irmã dela, para que a mãe não saiba a hora que ela tinha chegado.

Eu a convidei para entrar, ela prontamente entrou e encostou a porta e com um celular na caixa e outro no sofá, ela logo foi questionando do porque eu ter 2 celulares.

Eu logo expliquei que tinha acabado de comprar um novo e que estava vendendo o outro.

Ela começou a se lamentar, pois, ela estava já um bom tempo sem celular e dependia do dinheiro da mãe dela para comprar um novo, coisa que poderia demorar muito.

Na cara de pau ela perguntou se eu podia dar o meu celular antigo para ela, é claro que eu prontamente neguei.

Nossa, aquela carinha de pidona, eu logo imaginei a situação.

Depois ela disse que poderia me pagar aos poucos, mas, quando eu disse o valor do celular, que era de R$ 300,00 ela logo desanimou, pois, não teria como pagar, mesmo se eu dividisse em muitas vezes.

Nesse momento, 30 segundos de um silêncio total e ela disse que queria muito o celular e que faria de tudo para conseguir um.

Eu que estava sentado no sofá me levantei, e comecei a andar falando com ela, que ela poderia ficar com o celular.

Ela logo me perguntou, como iria pagar.

Eu dei um beijo na nuca dela e disse, paga do jeito que eu estou pensando agora.

Incrivelmente ela nem pensou 2 vezes, respondeu que sim prontamente.

Foi perfeito, subimos, fomos para o quarto, e é claro, como de costume, fui tomar banho e levei ela para o banho.

( Adoro chupar uma buceta, por isso, gosto de me certificar que ela esteja bem limpinha e lisinha)

Eu já estava um tempo no banho e nada dela chegar, fechei o chuveiro e fui chamar ela, que, ainda estava de roupa sentada na cama.

Eu Peguei ela pela mão e por um breve momento, percebi as mãos dela trêmulas, mas, achei que era o frio, então, fechei as janelas, e fui com ela para o banheiro, então entrei no box, abri o chuveiro e ela foi tirando, vagarosamente as roupas, que corpo lindo, deliciosa.

Mas, assim que ela tirou a calcinha, nossa, que buceta cabeluda, poxa, acho que em desenhos que eu vi alguma daquele tipo.

Na hora, puxei ela para o chuveiro, esfreguei aquele lindo corpo todinho, dei um belo trato naquela buceta peluda e logo perguntei se eu poderia cortar aqueles pelos da buceta dela, ela perguntou se iria doer, eu disse que não.

Então, deitei ela na cama, peguei a tesoura, cortei o máximo que pude, deixei os pelos bem baixinhos, peguei minha espuma de barbear, coloquei bastante naquela xota de pelos agora bem baixinhos, peguei meu aparelho de barbear e comecei a deixar aquela xota bem lisinha, que linda xota, lisinha, rosadinha.

E mais uma vez, algo me chamou a atenção, era apertadinha, tudo bem fechadinho e na hora em que eu estava passando o aparelho de barbear, a garota começou a gemer, se contorcia, parecia sentir muito tesão por eu está fazendo aquilo com ela.

Ela começou a pedir para eu continuar o que estava fazendo, mesmo já não tendo mais pelos para cortar, mas eu continuei, coloquei mais espuma de barbear e fui passando a lâmina naquela xota, com jeitinho para não cortar...

Tive uma idéia brilhante, comecei a masturba-la com o cabo do aparelho de barbear, nossa, ela até gritava, eu pedia para ela se controlar, mas, não adiantava.

Quando ela deu um longo e alto grito que ia gozar, (espera aí, tanto prazer e chegou até gozar só com isso? estava com vergonha de tirar a roupa na minha frente? Aquela xota peluda? Gozou tão rápido? Não conseguia controlar os gritos?)

MEU DEUS, ELA É VIRGEM!!!!

Saquei na hora, foi um momento de preocupação, animo, desejo,foi tudo, me empolguei na hora e logo veio o receio, pois, não tive muita sorte com virgens que depois se tornam muito pegajosas depois, querendo compromisso sério.. namoro e falando até de casamento.

Mas, já estava alí, não tinha como parar, mas, também não me atrevi a perguntar se ela realmente era virgem.

Mandei ela tomar outro banho e correndo, dei uma olhada nos pertences dela e fui ver se tinha algum documento para comprovar a idade dela, pois, ela tinha fisionomia de uns 15 ou 16 anos, pois, era bem miúda, e por sorte, ela tinha 19 anos mesmo.

Fui para o box e tomando banho com ela, percebi que teria que ser tudo com calma, pois, a gata era virgem.

Desliguei o chuveiro, pedi para ela fazer uma oral em mim, ela toda sem graça, ajoelhou e começou a fazer de uma forma bem amadora, sem jeito nenhum.

Logo entendi que tinha que ensinar a ela como se fazia.

Peguei ela no colo, levei ela na cama, fazemos a posição de 69 e comecei a chupar aquela xota lisinha e apertadinha, no começo ela começou a me chupar toda sem jeito ainda, então comecei a enfiar a lingua no mais profundo da xota dela que eu podia, ela tremia de tesão, quando de repente, abocanhou meu pênis com uma vontade que aí sim, vi que estimulando ela aqui em baixo, lá em cima ela responderia. Fato, que oral gostoso, naquela boca quentinha e ainda usando a língua para chupar meu pau.

Ela ficava chupando só a cabecinha eu levantava o meu quadril para enfiar mais a fundo, socando na garganta dela e ela na pratica, aprendendo como controlar o tamanho dentro da boca.

Então me levantei, peguei meu lubrificante e camisinha, ela logo negou, dizendo que com camisinha não, pois tinha medo de se machucar.

Como ela era toda virgem, toda lacradinha, acabei aceitando.

Deitei ela na cama novamente, me deitei por cima dela, e comecei a enfiar naquela xota virgem, mas, reparei que ela estava fugindo, toda vez que eu firmava a pica para entrar, a garota fazia movimentos para escapar.

Não teve jeito, tinha que ser naquela noite, então, virei ela de barriga para baixo, abri bem as pernas dela e comecei a roçar minha pica na xota dela, bem na portinha, e ela já estava bem molhadinha, então, coloquei mais lubrificante e continuei o roça roça, quando ela menos esperava, coloquei só a cabecinha dentro dela, ela deu um grito, eu percebi que ela estava querendo escapulir novamente, então, deitei totalmente em cima dela, coloquei todo o meu peso em cima dela, passei meus braços entre os braços dela, tipo, dando uma "chave de braços" nela, e soquei o restante de minha pica todinha na xota dela, nossa, eu me senti um peão em cima de um touro brabo, eu já imaginava que aconteceria isso, por isso, me coloquei bem juntinho ao corpo dela, na hora em que eu coloquei tudo, ela deu um belo grito, bem seco.

Ai eu comecei a fuder aquela xota, recentemente virgem, que gostosa, ela gemia com muito intensidade e sinceridade, e aquilo me dava muito tesão.

Aos poucos, fui afrouxando a "chave de braço", fomos nos levantando e de 4, fui fodendo ela com mais pressão, e de tempo em tempo, ela dizendo que iria gozar, e de fato gozava.

Nossa que delícia.

Eu deitei na cama e coloquei ela para cavalgar um pouco e a louca inexperiente, sentou de uma só vez, gritando de dor e tesão, começou a cavalgar bem gostoso, rebolava, sentava com pressão, e nem parecia a mesma garota, as vezes ela me encarava, virando os olhos, me xingava, gritava para eu enfiar mais e mais e eu obedecendo sempre.

Então, eu disse que iria gozar, pedi para ela sair de cima, ela não queria sair, e estava tão gostoso que eu nem me esforcei para tirar.

Gozei bem gostoso dentro daquela xota dela deliciosa.

Nossa, eu já estava todo suado, e ela também, fomos para o banho, e lá, naquele pequeno banheiro, naquele esfrega esfrega, fiquei excitado de novo, ela me estingando, coloquei ala contra a parede, enfiei novamente naquela xota maravilhosa.

E foi uma rapidinha bem gostosa... pressionando seu corpo contra a parede.

Que delicia, na hora que eu disse que iria gozar, ela se esquivou de mim, ajoelhou e abocanhou minha pica, dizendo para eu gozar dentro da boca dela, delicia, gozei bem gostoso direto na guela dela, que menina louca, ela não cuspiu, engoliu a porra toda.

Então, terminamos o banho, colocamos as roupas, ela, é claro, foi direto pegar o celular, agora dela, ela ligou para a irmã, que tinha deixado a porta encostada para ela entrar.

Nos despedimos e ela foi embora.

Voltei para a cama e vi quanto sangue no lençol, nossa, tive até que jogar o lençol fora.

Logo pela manhã, fui ao centro da cidade, comprei uma pílula do dia seguinte, quando voltei, mandei uma mensagem de texto para ela, pois ela levou o celular com chip e tudo, pedi para ela da uma passadinha na minha janela, e ela toda envergonhada, passou e lhe entreguei o remédio, ela logo entendeu, pois já tinha explicado na mensagem.

Como disse anteriormente, 2 dias depois, então, no domingo, ela veio com um papo de que estava apaixonada por mim, que queria que eu assumisse ela... COMO ASSIM???

Conversei com ela, fui claro e franco, ela entendeu e pediu para que eu continuasse a fazer sexo com ela, para ela aprender muitas coisas.

Tivemos um romance sexual por longos 6 meses ( do tipo, quase todos as noites ela passava lá em casa ).

Ela contou para as 2 amigas, Tatiane e Carolina, que tinha perdido a virgindade comigo e que não sofreu tanto para perder o cabaço, que era um grande medo não só dela, mas, das outras 2 amigas.

Obviamente, tive a oportunidade de tirar a virgindade das 2, usando como uma boa desculpa de que elas não sentiriam dor.

E de fato, foi muito mais prazer do que dor.

Em breve, os relatos das transas com a Tatiane e Carol!!

https://www.casadoscontos.com.br/texto/201709690