Transa surpresa

Categoria: 

Estou na praça de alimentação de um Shopping, fazendo um lanche. Tranquilo e solitário, apenas apreciando a iguaria fast food que todos amamos! Observo as pessoas do lugar. Ele não está muito cheio. À minha frente um casal de uns 30 anos está almoçando também. Ele parece ser do tipo musculoso, mas não é um cara grande, tem até uma tatuagem no braço. Ela é bonita, cabelos longos, seios grandes e magra, aquele tipo magrinha gostosa (eu nunca entendi e gostei muito do "elogio" gostosa, para mim pressupões já ter provado a pessoa, mas na falta de uma definição melhor). A garota me deu uma olhada e pareceu assustada, como se tivesse se dado conta de que me conhecia, eu cheguei a ler seus lábios: "mozão, é ele!". Aí foi a vez do cara me olhar, li de novo os lábios: "Ele quem?". Daí meio encabulado eu desviei o olhar para outra direção e continuei comendo meu maravilhoso Quarteirão com Queijo. Mas claro, fiquei curioso sobre a situação.

"Ele quem?", pensei eu. Eles ficaram falando e davam umas olhadas para mim, eu preferi desviar o olhar, fingir que não havia reparado nada. Então o cara levantou, parece que ia a algum lugar, o banheiro talvez. Foi aí que a garota começou a ficar olhando para mim. Eu pensei qual é a desse pessoal, daí ela abriu as pernas, estava em vestido desses que colam no corpo, seu bonito corpo esguio. Eu devo ter feito uma cara de surpreso e ela deu um sorriso safadinho. Então eu ouvi uma voz: "Você está olhando para a calcinha da minha 'mina'?". Assustado olhei para o lado e já se sentando perto de mim estava o namorado dela. "Como é que é?", respondi muito surpreso. "você está olhando para a calcinha da minha 'mina' cara". "Desculpe, é melhor eu sentar em outro lugar!", respondi. "Calma aí fera, vamos conversar", disse ele, tipo na maior calma do mundo. Eu já estava nervoso sabe, tava vendo a hora que aquele cara ia me dar um soco e eu sou um tipo de cara pacífico, não ia fazer nada, acho até que ia pedir desculpas de novo e ir embora. "Desculpa aí cara, acho melhor eu ir embora. Não quero problemas com ninguém" e já ia me levantando, quando ele disse: "Você é o timidognp do Sexlog não é?". Eu congelei na hora. "O quê? Você deve estar me confundindo com alguém cara!", então ele me mostrou o telefone dele e disse: "Você é esse cara aqui não é?". Era o meu perfil mesmo, não tinha como negar. Mas como aquele cara tinha esse conhecimento?

Respondi: "Sou eu sim cara", antes que eu perguntasse quem ele era, ele chamou a garota com um gesto de "vem cá!", ela se levantou e veio até nós, sentou entre eu e ele, meio que se encostando em mim. Ele disse: "É ele mesmo! Como você sabia?", então ela disse que tinha uma foto no meu perfil usando aquela mesma camisa e parecia que eu estava usando a mesma calça também, na verdade até meu tênis era igual. Eu só olhava para eles com cara de quem não estava entendendo nada. Aí ela disse: "Que maneiro! Nós encontramos alguém do Sexlog e sem marcar nada!". Finalmente consegui falar alguma coisa, quase gaguejando: "Tá. Mas quem são vocês?". "Eu sou a L. e ele é o F., o casal Sexlover". Agora eu estava entendendo alguma coisa, havia adicionado esse casal umas três semanas atrás e até então não havíamos conversado, eu apenas havia visto as fotos deles, aliás, que fotos!

"Nossa", eu disse, "eu devia ter sido mais cuidadoso com as fotos que posto lá". Então iniciamos uma conversa sobre nossas interações naquela rede social. Eles disseram que se encontravam com casais fazia dois anos, que estavam juntos, mas não casados, achavam que casamento acabaria com a relação deles, gostavam da vida assim. Ela então me perguntou: "Então você é um cara que só quer realizar suas fantasias?", era o que se lia no meu perfil. Então falei que me sentia angustiado com a vida de casado, parecia tudo monótono e meio que uma repetição atrás da outra. Era enfadonho, já estava naquela de fazer sexo por fazer dentro do meu casamento, queria muito que ela tivesse uma menta mais aberta para isso, mas minha esposa nem mesmo conversaria sobre isso sem conseguir transformar tudo em um grande drama. Eu estava me sentindo saturado. "Que bad cara!", disse o namorado dela, "se ela soubesse curtir de verdade ai ai...", pois é, aquele cara conseguiu sentir meu drama. Daí a garota, que pelo jeito era a mais assanhada dos dois, perguntou: "E aquela sua fantasia de ménage masculino? Você conseguiu realizar?", eu inocente, sem entender as intenções dos dois respondi: "Ah não, ainda não. Acho na verdade que nunca vai rolar sabe...", antes de eu terminar a frase eu fitei os dois. Deram umas risadinhas e olharam com aquela cara de safados. Eu parei de falar e então ela disse: "Hein, por que a gente não vai pro motel logo?", daí o cara completou: "Boa ideia hein mozão!". De novo eu com cara de zé. "Oi! Como assim? Agora?", ele disse: "Claro cara! Você tem alguma coisa pra fazer agora?", respondi: "Não necessariamente, eu só estava almoçando mesmo e ia voltar pra casa."

"Então vem com a gente!", ela disse já segurando minha mão e me levantando da cadeira. Eu fiquei apreensivo. Aceitei, meio que puxando minha mão, aí ela falou: "Calma moço, eu não mordo. A não ser que você queira claro!", acho que corei de vergonha, o cara disse: "Essa é a minha safadinha!" e beijou ela, pra valer mesmo!

Caminhamos até o estacionamento ela sorria, ele parecia bem empolgado e eu fiquei calado durante esse trajeto, pensando: "Cara, que doideira isso mano! Eu devo estar meio doido mesmo!". "Vão vocês dois atrás", eu pensei: "O quê!?". Ela disse:"Vem senta aqui" e me puxou de novo pelo braço. Eu entrei no banco de trás, mas sentei do outro lado do carro. Ela entrou também, me deu uma olhada. O cara entrou no lugar do motorista e disse: "Relaxa cara! Tá tudo sossegado! Mozão fala pra ele dar uma relaxada, ficar suave". Ela se aproximou de mim, eu me apertei no canto do carro, sei lá, foi algo meio instintivo. Me sentia acuado. Ela se aproximou e passou a mão no meu peito, subiu para o meu rosto e fez um carinho na minha nuca: "Você é sempre assim caladão?". Respondi: "Quase sempre, é que foi uma situação realmente inesperada". "Você tá com medo da gente cara?", disse ele. "Eu não sei dizer na verdade!", foi o que eu consegui dizer na hora. Ela então falou: "Calma cara, a gente faz isso sempre", daí segurou minha mão e se aproximou mais ainda, começou a beijar meu pescoço, eu me tremi todo! O namorado dela olhava pelo retrovisor e dava umas risadas. Eu pensando: "Brother, que que tá acontecendo!?"

De repente ela escorregou a mão dela para dentro da minha calça, eu já estava ofegante. A garota começou a me masturbar, eu só olhava para ela com uma cara de assustado. "Tá curtindo mozão?", "eu sempre curto sua safadinha. Suave aí cara!", eu quase não consegui falar: "Tá tranquilo! Tá suave!". Então ela continuou me masturbando e passando a mão no meu corpo, no meu rosto, o cara olhando do retrovisor e eu pensando: "Puta que pariu! Que porra é essa!?".

Chegamos ao motel. Eu arrumei minhas calças, ela ria, ele ria. Ela disse:" Hoje vai ser legal hein. Hahaha quem diria que a gente ia dar essa sorte!". "Pois é né mozão hahaha a gente vai armar a maior bagunça!". Nesse momento eu já estava um pouco mais calmo, disse: "Nossa cara, desculpa qualquer coisa...", ele falou: "Relaxa cara, se preocupa não que vai ser divertido. Só curte brother". A garota foi me puxando e levando para o quarto lá ela começou a dançar e sensualizar, eu o namorado dela sentados na cama, ela dançava para ele daí me puxava pela camisa, depois ela veio sentou de costas no meu colo, o namorado dela de frente para ela passando a mão nela. Eu me limitei a segurar seus quadris, ela ficou dando umas quicadinhas em mim. Cara! Aquilo tava muito louco! Daí ela começou a tirar a roupa, ficou só de calcinha e sutiã. Ela veio até mim e me empurrou na cama de modo que eu deitasse, o cara atrás dela a segurava pelos quadris e batia em seu bumbum, ela tirou minha camisa, me empurrou de novo na cama e começou a desabotoar minha calça. Eu já de pau duro um tempão já não estava aguentando. O cara já tinha tirado a camisa, já estava tirando as calças, então ela foi tirando a minha calça e eu ficando só de cueca, quando ela puxou minha roupa íntima disse: "Hummm que safadinho! Olha como ele já está!", o cara disse: "Eu sabia que ele não ia aguentar!"

https://www.casadoscontos.com.br/texto/201709510